Mob Atualizei

 
Política

Bolsonaro entregou exames falsos no STF? Veja o que os hackers encontraram

- Anúncios -
Ra Revisor CNF - Publicado em 15/05/2020 às 18:45.
- Anúncios -

A apresentação dos exames para covid-19 do presidente Jair Bolsonaro foi comentada durante semanas nesses últimos meses. Quando a presidência finalmente entregou o resultado, algumas pessoas ainda desconfiaram.

Um grupo de hackers que são identificados como DigitalSp4ce afirmou que invadiu o sistema do Hospital das Forças Armadas (HFA) para verificar a originalidade dos testes apresentados. No entanto, o grupo afirma que no banco de dados do hospital, não há nenhum dado de que o presidente tenha realizado coleta de sangue para testar o novo coronavírus.

Ao falar com a imprensa, um dos representantes do grupo afirmou ter buscado tanto pelo nome de batismo do presidente, como por seus pseudônimos e mesmo assim, não teve nenhum resultado. Dessa forma, o grupo acredita que Bolsonaro não realizou nenhum teste e portanto, seu laudo entregue ao STF essa semana seja falso.

- Anúncios -

O grupo postou no Twitter os resultados das buscas no banco de dados do hospital, mas o post original foi excluído pela própria plataforma.

- Anúncios -

Na postagem original estava escrito que o presidente demorou meses para mostrar seus exames e isso intrigou o grupo de hackers. Por isso, resolveram ir atrás das informações e invadiram o banco de dados do hospital. 

Toda essa revelação provocou ainda mais reações sobre a divulgação dos dados. O laudo do exame entregue ao STF trás o regime de outra pessoa no lugar do nome do presidente, porém, consta o CPF original de Bolsonaro. Algumas pessoas da justiça foram consultadas e disseram que isso pode caracterizar inclusive um crime de falsidade ideológica.

- Anúncios -

Os hackers acharam somente registros de Bolsonaro de janeiro deste ano, nenhum registo da data informada que o presidente fez o teste foi encontrado. Mesmo buscando pela primeira dama Michele Bolsonaro, também não encontraram registros dela. O planalto disse que não quer comentar o caso.

- Anúncios -